Seguidores

domingo, 15 de janeiro de 2012

Postura de Professor

 
 
 
Saber mais confere autoridade, e não licença para ser autoritário.
   Acho que essa é uma questão muito importante na atividade do magistério e deve ser motivo de reflexão para todos aqueles que seguem ou desejam seguir a carreira de professor.
   Ao longo de quarenta anos de magistério, encontrei muitos especialistas, nas mais diversas disciplinas, que, infelizmente, nunca foram bons professores. Conheciam profundamente a matéria, mas em sala de aula mais confundiam do que explicavam e, o que é pior, do alto de seu saber, muitas vezes olhavam os alunos com ar superior, fazendo com que eles se sentissem humilhados, desenvolvendo neles não a vontade de aprender, mas o desânimo por não conseguir entender as aulas. E é claro que esses alunos acabavam por assumir que a causa do fracasso estava neles, que deveriam ter a obrigação de entender as aulas, por mais confusas que fossem....
   Essa postura equivocada de certos professores é uma das formas assumidas pelo autoritarismo pedagógico, que pode ser percebido em todos os níveis de ensino, do fundamental ao superior.
   Uma coisa é saber o que se vai ensinar; outra coisa é saber ensinar o que se sabe. A atividade docente pressupõe sempre uma postura humilde, isto é, a postura de quem está consciente de suas limitações e, por isso, deve estar preparado para aprender cada vez mais sobre a difícil arte de ensinar. Com o tempo, vamos identificando as atividades que mais entusiasmam os alunos, que facilitam a aprendizagem de certos conceitos, que desenvolvem melhor certas habilidades. Por isso, a experiência de sala de aula conta muito para o bom desempenho do professor. Mas não é garantia de que funcione sempre. Pode ser que, em certas circunstâncias, o professor seja obrigado a repensar completamente sua didática para torná-la mais adequada a uma determinada classe, a determinados alunos. E é justamente por ser mais experiente e saber mais que cabe ao professor mudar seu comportamento, e não, ao contrário, esperar que os alunos é que se adaptem a seu modo de ensinar. Saber a hora de mudar — isso é postura de professor.
   Em nosso país, muitos professores ainda são obrigados a lecionar em escolas com pouquíssimos recursos pedagógicos, o que torna muito difícil a mudança de certos padrões didáticos. Por isso, temos de continuar a reivindicar melhorias no sistema de ensino, temos de cobrar das autoridades mais responsabilidade no trato da questão educacional — mais ações e menos discursos. Mas, em sala de aula, somos educadores, somos professores e nosso compromisso é com o ensino. Por isso, é preciso reconhecer o trabalho magnífico que muitos professores fazem pelo Brasil afora, lecionando em situação precária, sem bibliotecas, sem laboratórios, sem móveis adequados, e, no entanto, conseguindo entusiasmar seus alunos na busca do conhecimento. Isso é postura de professor.
   Muitos leitores dirão: mas essa é uma tarefa muito difícil! É verdade. Não é uma tarefa fácil. Ser professor não é só dominar um assunto, é também não perder o entusiasmo na sala de aula, é emocionar-se ao perceber o progresso de seus alunos, é empenhar-se na busca de melhores métodos de ensino, é usar seus conhecimentos não para humilhar os que não sabem, mas para mostrar-lhes como aprender cada vez mais. Por isso, os verdadeiros professores são pessoas especiais: eles tornam a humanidade melhor.
 
 
Fonte: http://www.douglastufano.com.br/galeria_4.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário